sábado, 28 de novembro de 2015

VELHA MORTALHA

VELHA MORTALHA

Mar velho feito em mortalha
Que na fria carne rasgada
Embalsamas todas as dores
Entre os murmúrios tristes
Voz escura na calada garganta
Nas tramas obscuras da queda
Ondas serenas de maremotos
Nos carinhos remotos em fúria
Lágrimas tuas em gritos roucos
Tormentas tolas numa ambrósia
Vagos espaços nas lentes perdidas
Os arcanjos cantam proclamam amor
Pobres vidas perdidas nos enigmas
Velha mortalha feita no profundo mar
Entre os portões de ferro nos sonhos
Transladam o delírio no fim risonho
Velho mar que embalsamas a mortalha
Dos erros das tristezas em murmúrios
Voz calada nas tramas obscuras da vida.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca


 https://www.youtube.com/watch?v=v-v_Ken_o5Q

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

SILÊNCIO

SILÊNCIO

Hoje não quero falar
Só quero dedicar-me ao silêncio
Há quanto tempo não o ouço
No desejo marcado de um sonho
Que ao tentar acordar
Perde-se na memória ou saudade
Despe-se na essência do amor
É preciso senti-lo para ficarmos a sós.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca


 
R.I.P

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

FRASE-AMOR


Vem amor pintar o teu nome
Com a tua língua na minha pele
Já tão deserta e seca de palavras
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca