domingo, 27 de setembro de 2015

NA PELE

NA PELE

- Sulcos na tua pele perfumada
De uma lágrima caída que nos afoga
- Onde supomo-nos sós e ignorados
Nas memórias das palavras já apagadas
- Adormecidas estão já as noites
Quando tu dizes que me amas
- E eu acredito no teu amor
Morreria se não tu acordasses
- Dentro do meu coração, da minha alma
Onde percorres-me o corpo com sede
- E morres nas palavras dos meus passos
Onde seremos uma promessa
- Talvez antes e depois de nós
Nos sulcos da pele de uma lágrima caída de felicidade.
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

PERDOAR

PERDOAR

Para encontrar um grande amor
 - Tem de aprender a perdoar
Não ter mágoas ou rancores
 - E nunca sentir ressentimentos
Sinta-se sempre amada e ame
- O perdão faz parte de um e do outro
Para não transformar a mágoa em solidão
 - Afinal as duas cartas mais difíceis
De escrever de amor
    - são sempre a primeira e a última.
Temos de pedir aos anjos
 - Que nos tragam um amor verdadeiro.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca



domingo, 6 de setembro de 2015

AMOR DE FRUTOS VERMELHOS

AMOR DE FRUTOS VERMELHOS

Amo-te agora, depois, logo, sempre
Entre os frutos vermelhos do bosque
Não interessa o lugar, nem a hora
Morangos, framboesas, mirtilos
Com a certeza, da fome do meu ser
Alma inquieta, vontade opressora
Eu, tu, nada, ninguém mais existe
Somos o fruto do desejo da entrega
Amoras, cerejas, groselhas, melancia
No abraço firme que nos aconchega
Boca de lábios mordidos, de amplos beijos
Na troca de fluidos, nas carícias ocultas
Mãos inquietas, que revelam os desejos
A força, a vontade de querer amar-te
No desejo tão nosso que nos seduz
Amam-se sem segredo, sem medo, pelo encanto
Onde as almas que brilham, ocultas no tempo
Não é apenas sexo ou corpo, é sim um amor verdadeiro
Amo-te agora entre os frutos vermelhos do bosque.
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca