quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

"ESCRITOS DESENCONTRADOS"

"ESCRITOS DESENCONTRADOS"

O nosso limite ultrapassou
A fronteira do visível ao invisível
Perder o tempo, perder a paz
Fugir para trás, sem pensamento
Num contratempo, sem ser capaz
Enfurecendo-me assim a minha própria alma
Perder a vida, já que nada me satisfaz
Até de joelhos, supliquei a Deus, aos anjos
Esvaziei-me por dentro, dum só lamento
Foge-me o momento, já nada me apraz
Perdida ferida, sem um caminho a percorrer
Envenenada, amordaçada por tão grande amor
Onde os versos escritos paridos, são lágrimas de dor
Sem palavras para escrever, linhas para corrigir
 Um ar amargo de desilusão, talvez seja só decepção
Tornei-me um cativeiro de um amor impossível
Como uma flor perdida no quente deserto do Saara
Entre secas, tempestades irei sobreviver às palavras
Destino meu, onde a minha dor envenenou os versos
Escritos paridos que estou a perder, sem letras para escrever.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

"DRAGÃO"

"DRAGÃO"

Dragão fingidor, fugindo por insônias
Pesadelos, sofrimento que mortifica a loucura
Amnésias pinceladas de tantas conveniências
Demônio, inferno benevolente
Que não nos deixa indiferente
Mastiga-nos inteiros, a nu descrevendo-nos
Tártaro corpo, quente sol, salgada sede
Lua intransigente, cega luz
Lágrimas de uma cegueira
Inexplicavelmente permanente
Bastardo, inferno que nos deixa incoerentes
Misturados de gestos, colados, secos na alma
Da chávena, do chá, do reflexo, ao mar
Feitos de desabafos, abafos
De água, de fogo, de sorte, de azar
Companheira feita em compaixão
Dragão, benevolente, demônio da nossa mente
Alma cercada pelo sofrimento
Desfeita em insônias, do pensamento
Cravado no peito, do nosso encantamento
Fingidor de pesadelos
De amnésias, cegueira nossa
Mortifica a carne do nosso sentimento
Fingindo que é dor
Colados nos ossos da nossa loucura
Perdida, esquecida, sem olhos, sem sangue
Sem veias, do nosso desentendimento.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

"GUERRA ABERTA"

"GUERRA ABERTA"

A carne é fraca, a guerra é constante
Quando o espírito deixa e não é forte
Desejo maldito, bendito, profano, covarde.
Boca que a língua invade, no corpo, na carne

Do sangue que é alarme, onde a brasa inflama.
Na luta onde o sangue que se exalta, pecado capital.
Dor, amor salgado que a vida nos dá muitas vezes
Navalha que corta a fraca carne do nosso pecado
 Guerra constante, constantemente sem vencedores
Besuntados estão os corpos estendidos
Na lama antiga no chão do nosso instinto
Com a mesma intensidade num labirinto

Rugem as carnes sem sangue já apodrecidas
Memórias de um tempo de batalhas de glórias
Palavras ditas talvez corrompidas na noite
Flor de um jardim bela ardente e misteriosa
 
Religião com o terço na mão de quem ama
Vertigem no passo longo de um precipício
Boca que ruge na selvajaria do instante
Gemido do homem que ama já feito amante

Muralha com a bandeira mais bela do mundo
A fé de uma sombra num templo perdido
Insanidade de todos os descrentes e ferozes
O vento que guia-nos no céu com o seu rastro.

A carne é fraca, a guerra é tantas vezes constante
Como é constantemente vencida sem vencedores
Quando o espírito é fraco, na luta do sangue
Sombra da navalha, gemido do homem descrente.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca