domingo, 27 de março de 2016

SOMBRA


SOMBRA

Perdida esquecida, sem oxigénio
Num ergástulo escuro, sem dor
Pequena letra, palavra escondida
Insensata atmosfera, talvez hipócrita
De verdades que são muitas vezes
Falsas promessas, ânsia de liberdade
Coabita na contemplação da morte
Apenas pede a Deus a misericórdia
Que a sua alma anseia há tanto tempo
Um premio que ele acha que merece
Cobre o seu frágil corpo, com um velho
Manto preto já roto, ergástulo eterno.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quinta-feira, 10 de março de 2016

ENCONTRO




ENCONTRO

Invólucro veloz
Insaciável solidão
Insondável rastro
Carente perfumado
Segredado momento
Distancia-se tardio
Ornamento noturno
Esquecida noitada
Perdida escuridão
Calçada Portuguesa
Esperançosa saudade
Apaixonado sentimento
Ecoado pensamento
Intimista paixão
Amor tão desejado.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quinta-feira, 3 de março de 2016

JÁ MEU


JÁ MEU

Esqueci-me de respirar
Nas setas, nos espinhos

Dardo sangrento de morte
Assassino da minha alma

Dos meus pensamentos
Feridas que eu não nego

Das nossas conversas sutis
Vejo a carne morta da vida

Como ignorar a dor que sinto
Quando só os meus braços

Te pedem amor, carinho

Cego véu que rasga de preto
Os fios de sedas entrelaçados

Come os meus delírios
Como saborosas carícias

No meu corpo, cantam as almas
Para conquistar, apaixonar-me

Tornar a vida num doce passeio
Doce inocente homem que já é meu.

Só meu...Já meu.
❤ (▾◡▾)
Isabel Morais Ribeiro Fonseca