terça-feira, 11 de novembro de 2014

JANELA E ALGUÉM

JANELA E ALGUÉM

Alguém já escreveu que os olhos são a janela da alma.
Eu concordo com esta verdade
Hoje eu acordei decidida a mudar
Passei a noite acordada
Mais uma noite quente de outono maldita insônia
Maldito pesadelo, malditas ideias que me fazem questionar
As coisas que eu alguma vez nunca quis questionar
Deste mundo cada vez mais perverso, desumano e frio
Enfim resolvi reviver, os melhores momentos de nós os dois
Dei-me conta de que já vivemos tantas coisas bonitas
Das coisas que já passámos e por um instante dei-me conta
A sorrir mesmo à gargalhada.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca