sexta-feira, 24 de abril de 2015

"BILHETE"

"BILHETE"

Sem tempo hoje escrevi um bilhete
Um bilhete de um só fôlego
Nesta manhã orvalhada, caminhei
Caminhei pelos campos da memória
Senti a minha alma solta, perdi-me em saudades
Pedi oh alma, volta logo, não me deixes preocupada
Altas horas, minutos silêncios, tantas vezes ruidosos
Onde o tempo passa depressa e escorre pelos dedos
Fôlego escrito que disfarça a sua ânsia ou talvez a nossa
Pensamentos que suspiram, vagueiam e gemem
Escrevi num bilhete, toda a minha dor
Numa folha amarrotada, gasta e talvez devotada
Meti-a numa garrafa, enterrei-a na areia da praia
Vieram as ondas, do mar revoltado já muito zangado
Levou para longe, toda a dor da minha alma.
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca