segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

RABISCOS

 RABISCOS

Silencio com dor e simplicidade
Escrevo versos
Desconexos e rabiscos
Tropeçando e caindo
Aprendi que a vida é um jogo.
Para ganhar ou perder
Perde-se mais que se ganha
Ganhasse mais do que se perde
Esquecendo-se os medos
E muitas vezes as próprias limitações
Olhando o horizonte com confiança
Alimentando-se com amor
Navegando por aguas firmes da saudade
Esquecendo as lágrimas
Turvas do silencio e da solidão
Observando a beleza flutuante da alma
Deixar entrar o brilho intenso do amanhecer
Como a mais bela flor abrir no jardim
Encantado tirando da alma fustigada de desilusão
Quimera de um sonho, guardo e espalhado ao vento
Da minha dor, do meu lamento esquecido e perdido.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca